Uma composição sonora leva em consideração não somente o som como também sua ausência. Descubra um pouco sobre a importância do som no cinema e alguns aplicativos para gerenciar a edição do seu curta.

Somos diferentes dos animais porque nos comunicamos. Simples assim! Um dos aspectos mais relevantes da produção comunicativa é o som, e é por meio dele que parte da nossa comunicação é feita. Mas e qual é a importância deste elemento para a produção do seu curta? Como pensar numa produção com um áudio adequado? De que maneira organizar o som e obter os melhores resultados?

O som no cinema é constituído de diálogo, ruído, música e silêncio. Na plasticidade sonora, o silêncio, desde que devidamente manipulado e com a intencionalidade do diretor do curta, pode ter um significado mais impactante do que uma elaborada edição. O filme mudo pode dizer – e diz – muito sobre a história contada. Na maioria das vezes, um curta se contrói a partir da imagem e do som, mas também podem existir filmes silenciosos. Antigamente, essas produções sem som existiam por limitações técnicas. Para ocultar o silêncio, muitas sessões de cinema eram acompanhadas por um pianista que projetava o tom do filme: o narrativo, lírico, épico ou dramático.

Muitas vezes os filmes tinham partituras próprias, mas naquela época cada exibidor ficava responsável por escolher a música que tocaria. Assim, além do pianista, havia sessões que eram acompanhadas por uma orquestra completa preenchendo a ausência do som nos filmes. Se engana quem acha que o cinema nao enchia as salas, muita gente disputava ingressos para ver produções mudas bem sucedidas como filmes de Chaplin e os de Oscarito.

Quando o som surgiu no cinema na década de 30, houve certa resistência. “Muitos críticos e cineastas viam o advento [do som] com cautela. [Isso] porque eles achavam que se a imagem mostrasse por exemplo um cachorro latindo pra que o som seria de latido?  Pra ele ser interessante teria que ser um outro som que contribuísse pra outra coisa que não reforçar o que se via na imagem. O som tinha que representar uma narrativa própria ou avanço pra narrativa, e não ser usado só para reforçar a imagem.” Prova disso é que os primeiros filmes sonoros eram muito falados e explicativos  e som ficava redundante, comenta Barbara Beznosai, licencianda em Cinema e Audiovisual.

O aclamado diretor japonês Akira Kurosawa explica que “o som do cinema nunca é meramente um acompanhamento, nunca meramente o que o gravador capturou quando a cena é rodada. O som de verdade não apenas se adiciona à imagem, ele a multiplica”. Para o festival Curta no celular, a regra é clara: a imagem deve ser filmada por celular, já o áudio pode ser captado por meio de outros equipamentos e também editado externamente.

Os usuários do Sistema Operacional Leopard (usado em computadores da Apple) podem usar o Quick Time Player no computador ou o aplicativo iMovie que já vem pré instalado nos iPhones para aplicar efeitos básicos tanto no áudio quanto no vídeo.

Para quem não tem o celular com a maçã estampada no verso, WavePad é uma boa pedida, o aplicativo permite que o usuário grave, edite, adicione efeitos ao áudio, limpe ruídos sonoros e ainda permite o compartilhamento para que amigos que também tenham o app no celular possam retomar a edição. Essa é uma boa pedida para quem vai participar do evento e quer dividir com os amigos as etapas de produção do curta.

Um dos editores mais comuns para a edição de áudio em computadores tanto do sistema Windows, Leopard como do Linux é o Audacity: um programa com uma interface simples de ser manipulada pelo usuário não profissional – no mesmo segmento, o EXPStudio Audio Editor, o Free Audio Editor, o Free Studio Manager, e DJ Audio Editor também dão conta do recado. O Sony Sound Forge, da japonesa Sony, apresenta recursos mais avançados para a edição do material sonoro com recursos profissionais assim como o Protools que permite ao usuário compor, gravar, editar e mixar sons.

Vale lembrar que um curta bem sucedido, além da manipulação do áudio e do vídeo, deve contar uma boa história. E aí, vocês já pensaram em como retratar as mudanças climáticas? Agora que você já conhece algumas ferramentas para editar o áudio, conte-nos sua história e torça para que ela seja uma das escolhidas para exibição no cinema.

Texto por: Cleber Azevedo Lattes Cleber Azevedo - 3º Festival Nacional "Curta no Celular" 2017